Instituto Arara Azul realiza monitoramento de ninhos artificiais na Estância Mimosa

Com o início da época reprodutiva, monitores estão confiantes de que as aves ocuparão as casas.

A Estância Mimosa Ecoturismo (Bonito -MS) recebeu no dia 28 de junho a visita de Carlos Cezar Corrêa, técnico do meio ambiente do Projeto Instituto Arara Azul e da bióloga Grace Ferreira da Silva, com o objetivo de vistoriar, e substituir os ninhos artificiais instalados no atrativo, para estimular a postura e choca das aves. 

Na foto: Carlos Cezar Corrêa, técnico do meio ambiente do Projeto Instituto Arara Azul e bióloga Grace Ferreira da Silva.

Parceira do Instituto Arara Azul, o atrativo possui cerca de dez ninhos artificiais do Projeto Arara Azul instalados na sede e também na área da pela Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Dois ninhos já foram berços para dois filhotes de arara vermelha e um filhote de arara azul.

Os ninhos artificiais são instalados utilizando técnicas de rapel e fixados no caule de árvores robustas, diminuindo ataques de predadores, oferecendo conforto e protegendo as aves das intempéries climáticas.

“No período reprodutivo passado tivemos filhotes de arara vermelha e de arara azul na região. Este ano estamos trocando estas caixas mais antigas e substituindo por ninhos novos para o período reprodutivo que inicia em julho” contextualiza Grace.

A bióloga revelou ainda que na região de Miranda o Projeto já catalogou o primeiro ninho do período reprodutivo no Pantanal Sul, com um ovo.

“Substituímos cinco ninhos. É muito gratificante você chegar e a arara chegar junto, você ver que ela explorou aquele ninho, deu umas bicadas na madeira, mexeu, aí a gente sabe que elas estão aproveitando. A gente está vendo que as araras estão por aqui e estão chegando também, e isso é um ponto muito positivo” festejou.

Filhote de arara azul ganha medalha na Estância Mimosa Ecoturismo

A Estância Mimosa Ecoturismo (Bonito-MS) recebeu no dia 28 de janeiro a visita da equipe do Instituto Arara Azul; composta por Carlos Cezar Corrêa, técnico do meio ambiente; Wesley da Silva Leite, assistente de campo e Grace Ferreira da Silva, bióloga e pesquisadora.

Além de vistoriar os ninhos artificiais, a equipe colocou medalha em um filhote de arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus), por meio de um colar de aço protegido por pvc, que não machuca e nem prejudica o animal e que pesa menos que 1% do peso corporal da ave.

Valdenir de Souza, gerente da Estância Mimosa (à esquerda), acompanhou o trabalho da equipe do Instituto Arara Azul.

A numeração na medalha é um “RG” de cada animal. Essa marcação permite conhecer um pouco da história de vida dessas aves, como deslocamento, idade reprodutiva, fidelidade aos ninhos, entre outras informações.

O Instituto Arara Azul optou pelo monitoramento com medalhas numeradas com o intuito de visualizar melhor a ave de longe, sem a necessidade de capturá-la, como acontece no caso das anilhas, e assim obter mais informações sobre a vida das aves.

A princípio, as medalhas serão colocadas apenas em uma pequena amostra das araras, sendo 30 araras-azuis localizadas no Pantanal e Cerrado e 30 araras-canindé em Campo Grande (MS).

Atualmente há 10 ninhos artificiais instalados na Estância Mimosa com o intuito de serem utilizados como abrigo tanto para as araras azuis, bem como de outras como a arara-vermelha e a arara-canindé, além de auxiliar na reprodução das espécies.

Flagrante incrível das araras-azuis na Estância Mimosa

Aquele flagrante incrível das araras-azuis (Anodorhynchus hyacinthinus) nos ninhos artificiais instalados na Estância Mimosa Ecoturismo, em Bonito (MS).

Desde 2019, o atrativo possui uma parceria com Instituto Arara Azul no qual são instalados ninhos artificias na propriedade, com o objetivo de que sejam utilizados como abrigo tanto para as araras azuis, bem como de outras como a arara-vermelha e a arara-canindé, além de auxiliar na reprodução das espécies.

É uma alegria imensa em contribuir para a preservação da espécie!

Veja abaixo o vídeo:⠀⠀

Filhotes de arara-vermelha são encontrados em ninhos artificiais instalados na Estância Mimosa

A Estância Mimosa Ecoturismo (Bonito -MS) recebeu no dia 24 de novembro a visita de Neiva Guedes, Presidente do Instituto Arara Azul; de Carlos Cezar Corrêa, técnico do meio ambiente do Projeto Instituto Arara Azul e os colaboradores Fernanda Fontoura, Carlos Durignan e Wesley, com o objetivo de vistoriar os ninhos artificiais instalados no atrativo.

Atualmente há 10 ninhos instalados com o intuito de serem utilizados como abrigo tanto para as araras azuis, bem como de outras como a arara-vermelha e a arara-canindé, além de auxiliar na reprodução das espécies.

Durante a vsitoria foram encontrados dois filhotes de arara-vermelha (Ara chloropterus); um filhote de tucanuçu (Ramphastos toco) e um filhote de Arara Azul (Anodorhynchus hyacinthinus).

Após serem examinados, foi constatado que os dois dois filhotes de arara-vermelha estão fortes, saudáveis e devem voar em aproximadamente 30 dias.

Já o o filhote de arara-azul também está saudável, com quase 30 dias de vida, e a expectativa é de que inicie os voos no fim de janeiro/começo de fevereiro de 2022.

A bióloga Neiva Guedes celebrou nascimento dos filhotes no atrativo.
“Estamos muito felizes e contentes porque temos dois filhotes de araras vermelhas que nasceram nas caixas (ninhos artificiais), que vem sendo monitoradas a anos. Agradecemos a parceria com a Estância Mimosa que tem propiciado esse trabalho. Ficamos muito feliz em ver esses filhotes por aqui. Além da Estância Mimosa agradecemos também o Zoológico de Zurique, a Fundação Toyota do Brasil e principalmente toda a equipe do Instituto Arara Azul, dos nossos parceiros que tem contribuído para esse trabalho”, revelou em depoimento.

Parceria

Além da Estância Mimosa, o Recanto Ecológico Rio da Prata e Lagoa Misteriosa, integrantes do Grupo Rio da Prata localizados em Jardim (MS), mantém a parceria com o projeto Arara Azul, desde fevereiro de 2012 quando foram instalados os primeiros ninhos artificiais nas dependências das fazendas.

Sobre o Projeto Arara Azul

O Projeto Arara Azul é um projeto que estuda a biologia e relações ecológicas da arara-azul-grande, realiza o manejo e promove a conservação da arara azul em seu ambiente natural, além de estudar a biologia reprodutiva das araras vermelhas, tucanos, gaviões, corujas, pato-do-mato e outras espécies que co-habitam com a arara azul no Pantanal.

O Projeto compreende o acompanhamento das araras na natureza, o monitoramento de ninhos naturais e artificiais numa área de mais de 400 mil hectares além do trabalho, em conjunto com proprietários locais, de conservação da espécie.

Em reconhecimento a esse trabalho, Neiva Guedes ganhou mais um prêmio e passou a integrar o grupo de Mulheres da Ciência, da Organização das Nações Unidas (ONU). A premiação, diz a bióloga, é válida sobretudo pois ajuda a divulgar ainda mais o seu trabalho.

Conheça: https://www.institutoararaazul.org.br/

Araras azuis ocupam ninho artificial na Estância Mimosa

Os ninhos artificiais instalados na Estância Mimosa Ecoturismo, em Bonito (MS), muito bem utilizados! No dia 8 de novembro, Valdenir de Souza, gerente do atrativo, flagrou duas araras azuis, ocupando um dos 10 ninhos instalados em parceria com o Instituto Arara Azul.

Em 2021 completamos 2 anos de parceria com o Instituto que faz um trabalho exemplar na conservação da espécie, entre eles a instalação de ninhos artificiais que servem tanto como abrigo para as araras azuis (Anodorhynchus hyacinthinus), bem como de outras como a arara-vermelha e a arara-canindé, além de auxiliar na reprodução das espécies.⠀

A espécie, que encanta a todos por sua cor vibrante e som alegre e inconfundível, são animais com hábitos que chamam a atenção. Elas gostam de voar em pares ou em grupo e nos fins de tarde, se reúnem em bandos em árvores “dormitório”. Acuri e bocaiúva são alguns de seus alimentos.

Além da Estância Mimosa, o Recanto Ecológico Rio da Prata e a Lagoa Misteriosa, integrantes do Grupo Rio da Prata localizados em Jardim (MS), mantém a parceria com o projeto Arara Azul, desde fevereiro de 2012 quando foram instalados os primeiros ninhos artificiais nas dependências das fazendas.

Veja aqui o vídeo!

Parceria entre Estância Mimosa Ecoturismo e Instituto Arara Azul completa 1 ano

Em setembro de 2019, a Estância Mimosa Ecoturismo, passeio de cachoeiras em Bonito (MS), iniciou a parceria com o Instituto Arara Azul e, por meio dela, 10 ninhos artificiais foram instalados em diferentes locais.

O objetivo da parceria é de que os ninhos sejam utilizados como abrigo tanto para as araras azuis (Anodorhynchus hyacinthinus), bem como de outras como a arara-vermelha e a arara-canindé, além de auxiliar na reprodução das espécies.

Na ocasião, 4 ninhos foram instalados na área da Estância Mimosa e também às margens da Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN. Em outubro foram instalados mais 4 e em novembro de 2019, mais 2 ninhos.

O Instituto Arara Azul compartilhou um relatório sobre as ações e resultados em 1 ano de parceria. Entre os ninhos instalados, destaca-se o “Ninho 2322”, o mais explorado pelas araras azuis no atrativo. “As aves foram fotografadas várias vezes, entrando e saindo do ninho. Entretanto, neste período reprodutivo ainda não ocuparam o local para se reproduzir, mas foi um bom sinal de que as araras da região já encontraram os ninhos e, possivelmente, em anos posteriores poderão ocupar algumas das caixas instaladas”.

Luiza Coelho, Diretora de Sustentabilidade do Grupo Rio da Prata, revela a satisfação em somar esforços em prol da natureza. “Ficamos emocionados quando vemos um trabalho tão difícil e de longo prazo como este do Instituto Arara Azul e do Instituto Arte do Fazer, ações realmente feitas com carinho, amor e dedicação para com uma espécie tão magnífica como a Arara Azul. E o mais legal é ver que os frutos foram colhidos e continuarão sendo. A Estância Mimosa tem registrado aparições de Arara azul, e elas já estão aprendendo a usar os ninhos artificiais. Ficamos muito satisfeitos em contribuir com a natureza, este é o propósito do nosso ecoturismo. Ajudar a natureza a ficar cada vez mais forte e bonita”.

Thyago Sabino, gerente do atrativo, celebra também a parceria. “Quando fomos atrás do projeto, visando a parceria, tínhamos como objetivo de que a Estância Mimosa também fosse uma residência permanente dessas espécies, das araras em específico. Nossa ideia era oferecer condição ideal no ambiente. Depois de instalados os ninhos, com quase 1 ano de monitoramento, concluímos que estávamos certos a respeito de tudo que pensávamos: a Estância Mimosa é uma área com grande potencial para que essas espécies vivam bem”.

Além da Estância Mimosa, o Recanto Ecológico Rio da Prata e Lagoa Misteriosa, integrantes do Grupo Rio da Prata localizados em Jardim (MS), mantém a parceria com o projeto Arara Azul, desde fevereiro de 2012 quando foram instalados os primeiros ninhos artificiais nas dependências das fazendas.